Existe uma forma natural de se respirar, certo? Inspira-se oxigênio pelo nariz e expira-se dióxido de carbono pela boca. O processo que leva o ar aos pulmões facilita o funcionamento do sistema respiratório, e passa pela filtragem de germes, bactérias e detritos por parte dos pelos nasais e pelo muco, bem como pela humidificação e aquecimento através de glândulas e dos vasos sanguíneos.

O que acontece é que existe uma ampla quantidade de indivíduos que o fazem exclusivamente por via oral, isto é, inspiram e expiram pela boca.

Se é sabido da importância da respiração para a saúde e bem-estar geral, diversos especialistas advertem que respirar de forma incorreta pode ter consequências danosas ao nível cognitivo, no crescimento e desenvolvimento natural, no sono, na postura, na fala e na harmonia da estrutura facial, entre outras, sendo que a saúde oral é igualmente afetada.

A respiração oral está na maioria dos casos relacionada com problemas de saúde, mas não só. Podem ser causas disso, o desvio do septo nasal, ou o aumento do tamanho das amígdalas e ou do adenoide, que atrapalham a passagem de ar pelo nariz e respetivas vias aéreas. A utilização de biberões para alimentação durante os primeiros meses de vida também não deverá ser em excesso, já que prejudica o desenvolvimento da musculatura oral e favorece este tipo de respiração. Lamentavelmente, por vezes, esse tipo de respiração está relacionado apenas com uma mera questão de hábito.

No sono, a respiração oral proporciona períodos de descanso curtos, derivado do estado de boca aberta e do posicionamento da língua que dificulta a respiração, comprometendo a capacidade de concentração, induzindo ao cansaço, irritabilidade, dores de cabeça e a inevitáveis olheiras. A apneia noturna (interrupção da respiração por segundos durante o sono) é outro dos problemas, esta sobrecarrega em demasia a área pulmonar e cardíaca, o que pode derivar em hipertensão, insuficiência cardíaca e arritmias.

Como a cavidade nasal é menos usada isso repercute-se na estrutura orofacial, o céu da boca fica mais alto e a arcada dentária mais estreita, a face fica mais longa, assiste-se ao retro posicionamento da mandíbula e à redução da maxila (órbita, nariz e palato) que suporta os dentes superiores. Resultado disso é a má oclusão dentária.

Para além de ressecar a saliva e provocar mau hálito, a respiração oral provoca também o desalinhamento dos dentes. O padrão da fala por sua vez também é atingido uma vez que a correta articulação dos sons apenas é viável na presença de uma equilibrada e adequada estrutura orofacial.