Quando o médico dentista comunica a um paciente que terá que usar aparelho ortodôntico, vulgarmente conhecido como aparelho dentário, é habitualmente visível a preocupação que se apodera desse mesmo paciente, que é atingido por um rio de dúvidas que se seguem a essa tão ‘alarmante noticia’.

Apesar do aparelho alterar um pouco os hábitos dos seus usuários, as erradas expectativas em relação ao seu uso derivam da desinformação das pessoas em geral acerca do tema. As questões mais comuns são as seguintes:

 – ‘Vai-me ficar muito mal?’

Não altera necessariamente para pior a estética do paciente. Inclusivamente existem disponíveis diferentes cores e modelos de aparelhos dentários.

– ‘Terei que o usar por muito tempo?’

Não existe um tempo especifico para o uso do aparelho, depende do caso em concreto do paciente. Trata-se geralmente de um tratamento mais rápido em jovens que em adultos.

– ‘Vou poder comer normalmente?’ 

Existem determinados alimentos que devem ser evitados durante o tratamento por motivos de higienização, tal como caramelos e outras guloseimas. Contudo, é permitida a ingestão de quase tudo, desde que se coma com cuidado, particularmente os alimentos duros, que deverão ser cortados em pedaços antes de serem ingeridos, evitando-se assim danos no aparelho.

– ‘Será que terei muitas dores? ’

Nos dias após a colocação surgirão muito possivelmente algumas dores (suportáveis) e algum desconforto, resultantes da pressão que é exercida sobre os dentes para correção do problema. Irão passar com a habituação ao aparelho.

O aparelho ortodôntico traz benefícios funcionais e estéticos, na correção de desajustes na dentição e na prevenção de problemas de oclusão (acto de abrir e fechar a boca). É pois uma solução e não um empecilho.